Fazer força para evacuar faz mal? Entenda os riscos

Fazer esforço excessivo para evacuar pode causar o quê? Entenda abaixo!

Já passou pela situação de ter que fazer um esforço excessivo para conseguir evacuar e, muitas vezes, nem assim conseguir?

Apesar de ser um problema comum entre diversas pessoas, saiba que é algo que faz mal. Essa dificuldade para fazer cocô pode durar dias, resultando em angústia, preocupação, dores e até problemas de saúde mais graves.

Neste post, o blog da Freebrands listou todos os riscos que podem acompanhar essa condição. Saiba porque fazer força para evacuar faz mal!

1. Hemorróidas

Dentre todos os problemas que a força para evacuar pode causar, as hemorroidas são um dos principais e mais conhecidos. Sua principal causa neste cenário se dá devido ao ressecamento das fezes junto ao esforço induzido na região para conseguir fazer o n° 2.

Esse ressecamento ocorre por conta da falta de bons alimentos para o intestino e do ato de reprimir e adiar o cocô, especialmente em pessoas que têm o costume prejudicial de só evacuar em casa.

Já falamos sobre isso em outro post do nosso blog, veja como superar o medo de fazer cocô fora de casa.

Os principais sintomas das hemorroidas são veias ressaltadas e dilatadas na região anal junto a coceiras e dor. Há também casos em que as fezes são expelidas com sangue.

Para solucionar o problema das hemorroidas é necessário consultar um médico especialista que irá prescrever pomadas para dor e redução das veias. Em casos mais graves, é realizada uma cirurgia para evitar o problema.

2. Fissuras anais

As fissuras anais são cortes ou lesões que podem causar sangramento nas fezes e dores na região. Elas também são exemplos dos riscos que forçar a evacuação pode trazer, pois fazer tanto esforço dessa forma pode provocar lesões na região.

Isso ocorre porque as fezes estão endurecidas e ressecadas e, ao percorrer do intestino até o reto, vão passar raspando entre as paredes desses órgãos, dando início aos sintomas desse problema.

Para prevenir que isso aconteça, é importante adotar bons hábitos alimentares, beber bastante água (especialmente pela manhã) e jamais segurar a necessidade de fazer cocô.

Leia também: Chá para intestino preso: ajuda para tratar a constipação!

3. Hérnias abdominais

As hérnias abdominais são um dos riscos que as pessoas que fazem muito esforço para expelir as fezes correm, além de também serem comuns em quem sofre de prisão de ventre ou têm o hábito de reprimir a vontade de ir ao banheiro.

A hérnia abdominal é caracterizada pela musculatura do abdome em estado fragilizado. Em casos mais graves, pode haver a saída de uma pequena parte do intestino por ela.

O principal sintoma provocado a partir daí é a dor intensa na região, mas há situações em que também é possível sentir inchaço e vermelhidão.

Para realizar a correção da hérnia é necessário consultar um médico para analisar a situação em particular, Em grande parte dos casos, a recomendação é uma cirurgia de correção.

Além disso, é preciso reeducar os hábitos alimentares e de vida do paciente para que as fezes possam ser eliminadas sem esforço e o problema não retorne posteriormente.

Leia também: Como fazer cocô: aprenda qual a posição correta

4. Diverticulite

Dentro do intestino, existem pequenas estruturas chamadas divertículos que surgem em suas próprias paredes em decorrência da prisão de ventre.

Quando há a diverticulite, é sinal de que houve uma inflamação desses divertículos que provoca náuseas, vômitos, febre e dor intensa na região.

Apesar desse problema não ser causado pelo esforço excessivo para expelir as fezes, o ato pode piorar o estado de inflamação provocando ainda mais dor.

Nesses casos, a recomendação é se consultar com um gastroenterologista o quanto antes para que o diagnóstico e tratamento sejam feitos, evitando que o caso seja agravado.

Leia também: Fazer pouco cocô é normal? Saiba quais os limites

5. Incontinência fecal

Caso o esforço para fazer o número 2 seja muito intenso e frequente, a musculatura presente no ânus e no reto passa a enfraquecer e até mesmo a atrofiar.

Com isso, já não se torna mais possível controlar a evacuação, o que faz com que os gases e fezes sejam expelidos deliberadamente, causando complicações na qualidade de vida, constrangimentos e ansiedade.

Nesses casos, um médico coloproctologista precisa ser consultado com extrema urgência para avaliar o caso, podendo prescrever exercícios de fortalecimento da musculatura da região e outras atividades fisioterápicas.

Leia também: Fortaleça o assoalho pélvico com exercícios para prisão de ventre

6. AVC

Em casos bem mais raros, o esforço realizado para evacuar é tão intenso que pode levar até mesmo a um acidente vascular cerebral – o AVC.

Claro que tudo depende da força aplicada e da pessoa, afinal, para chegar a casos assim, é preciso ter problemas de saúde que geram uma predisposição ao acidente, como aneurisma, vasos sanguíneos fracos ou histórico de AVC.

Agora que você já conhece os principais riscos que o ato de fazer força para evacuar pode trazer, busque ao máximo evitá-lo! A principal recomendação para isso é consultar um médico e realizar os exames necessários para descobrir o motivo da dificuldade.

Afinal, esse esforço excessivo pode estar atrelado à prisão de ventre, intestino preso ou outro problema médico, então antes de tomar qualquer medicamento por conta própria é preciso entender a causa desse esforço excessivo para fazer cocô.

Agradecemos pela sua leitura e esperamos tê-lo ajudado a entender um pouco mais sobre o seu corpo e os cuidados necessários com ele. Aproveite para conferir o nosso post sobre fezes entaladas e descobrir o que fazer para sair dessa dureza.

Até a próxima!

Deixe um comentário